segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Corpo de Bombeiros Militar da Bahia: luz, câmera, ação!

Olá, pessoal!
Nos dias 27, 28 e 29 de novembro, no Instituto Anísio Teixeira (IAT), a Rede Anísio Teixeira ministrou um Workshop sobre produção audiovisual. O mesmo teve, como publico de destino, alunos oficiais do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia. Foram quarenta e oito participantes que, durante os três dias de evento, demosntraram muito interesse e proatividade em relação ao conteúdo abordado.
Fig.1: Alunos oficiais do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia durante o Workshop. Foto: Rodrigo Maciel

Esse encontro possibilitou, por demanda do Corpo de Bombeiros, o trabalho com um dos cinco módulos (Uso de software e licenças livres, Produção textual para multimeios, Fotografia, Produção audiovisual e Rádio) que fazem parte da formação “Produção de Mídias na Educação” da Rede AT. Nesse sentido, durante os encontros, foi trabalhado o módulo de “Produção audiovisual”, considerando seus processos de concepção e produção. Na oportunidade, os cursistas aprenderam noções básicas de roteiro para ficção, documentário e vídeo tutorial, etapas de produção, linguagem audiovisual e edição de vídeo. Também, durante todo o evento foram abordados temas voltados para questões éticas, tais como: direito autoral, licenças livres, autorização para uso de imagem e áudio e boas relações interpessoais.
Fig.2: Professor Geraldo Seara em aula de edição audiovisual Foto: Marcus Leone

Durante o workshop, os cursistas conheceram os equipamentos usados em diversas produções audiovisuais da Rede AT. Contudo foram priorizadas e trabalhadas técnicas eficientes para uso de celulares na realização dos vídeos, pois trata-se de um dispositivo móvel de fácil portabilidade, que os militares dispõem e através do qual podem fazer uso nas produções mais simples, considerando seus objetivos.
Fig.3: Cursistas exercitado captação de imagem e som com o professor Marcus Leone. Foto: Geraldo Seara.

Fig.4: Cursistas em aula de captação de imagem com o técnico Rodrigo Maciel e o professor Marcus Leone. Foto: Geraldo Seara.

Os processos audiovisuais de ensino e aprendizagem, durante o evento, se desenvolveram mediante práticas pedagógicas há muito fundamentadas nas atividades da Rede Anísio Teixeira, ou seja: em tais processos, a perspectiva efetivamente dialógica, contextualizada, ética, crítica e a realização colaborativa de conteúdos autorais são inerentes ao Know how formativo e de produção de conteúdos da Rede Anísio Teixeira.
Fig.5: Cursistas assistindo ao vídeo produzido por eles durante o processo. Foto: Peterson Azevedo.

Nos três dias, os mediadores (professor Geraldo Seara, professor Marcus Leone e o técnico Rodrigo Maciel) e os cursistas aprenderam e ensinaram muito. Foram momentos de teorias, experimentações e muita reflexão. O ensino e a aprendizagem, mais uma vez se fizeram em via de mão dupla. Os formadores, assim como os cursistas, aprovaram a interação e os conhecimentos adquiridos durante as aulas. “O conhecimento sobre a produção de vídeos vai servir para a nossa construção de vídeos educativos, prevencionistas para que o Corpo de Bombeiros chegue mais perto da sociedade”, disse a aluna oficial Arilma Santos. O aluno oficial Gilvã Rodrigues também disse: “É importante esse curso para nosso trabalho porque estamos buscando fazer um tutorial que possa levar uma mensagem para toda a comunidade”.
Fig.6: Cursistas em simulação para gravação de cena. Foto: Rodrigo Maciel

Certamente, para ambos os lados, foram momentos importantes e significativos de aprendizagem. Como em vários momentos do curso, após cada assunto abordado, os mediadores ouviram dos cursistas, de forma enfática, o termo “MB”, sem dúvida, a Rede Anísio Teixeira retribui, com o mesmo entusiasmo, o referido termo que significa “MUITO BOM!” Isso se destina tanto para os participantes da formação quanto para todo o Corpo de Bombeiros Militar da Bahia. E é exatamente assim que podemos definir os ganhos desse processo.
Sigamos em frente com força e sensibilidade sempre!
Fig.7: A turma reunida com os professores Geraldo Seara e Marcus Leone. Imagem feita por um dos cursistas.

Marcus Leone Oliveira Coelho
Professor da Rede Pública Estadual de Ensino da Bahia

Publicado originalmente em
http://blog.pat.educacao.ba.gov.br/blog/2017/12/03/corpo-de-bombeiros-militar-da-bahia-luz-camera-acao/

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Papa Zodiac legendado


Em 2016, tive o prazer de conviver com o "raggae pastor" Papa Zodiac, um cara muito simples e talentoso cujas canções espalham amor e paz, tanto para Rastafaris, quanto para os que estão de fora do movimento. Nesta entrevista, Papa fala do Zimbábue, seu país de origem, e da primeira experiência dele sobre um Trio Elétrico, na Micareta de Feira de 2016. A entrevista, em inglês, está  legendada em português. A produção fei feita em parceria com os colegas da Contramão Produções.


quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Resultados do curso realizado em Côcos-BA


Eis mais um resultado da formação em interpretação e produção de vídeos da Rede Anísio Teixeira, como foco na história local. Durante a construção do roteiro já dava para perceber que o filme revelaria fatos ainda não conhecidos pela maioria dos coquenses. O roteiro trazia a história em volta de um sítio arqueológico descoberto por acaso, durante a construção de uma rodovia, no município de Côcos, fronteira com Minas Gerais. Ao chegar no local, conduzidos pelo professor Fábio Barros (História), fomos impactados pela beleza do lugar que, de fato, precisa ser cuidado e preservado. Vimos e registramos inscrições gravadas nas rochas que podem ter sido feitas há muitos anos e isso precisa ser investigado por autoridades competentes no assunto. Ali fizemos tomadas incríveis, passando a ser, o lugar, o protagonista. Filme pronto e divulgado: os estudantes e professores se viram e aprovaram. Foi uma festa!





Se nada mais tivesse acontecido, nós da Rede Anísio Teixeira, como professores-formadores já estaríamos satisfeitos com a ampliação do conceito de leitura, tão necessária para as intervenções críticas que precisamos fazer, ainda mais diante de tanta manipulação da grande mídia. Nem todos em Côcos sabiam da existência do espaço escolhido para as gravações, muito menos sobre a importância histórica e cultural daquela região que precisa passar por estudos.

Visite a Plataforma Anísio Teixeira para mais vídeos.




quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Preconceito não!



Apesar de tantos apelos, ainda convivemos, diariamente, com situações de preconceito explícito que não deveriam mais existir. A Rede Anísio Teixeira tem se empenhado na produção, catalogação e difusão de conteúdos que, entre outros alcances educativos e educacionais, possam promover reflexões sobre a nossa formação etnorracial, sobre as questões de gênero e de inclusão. Essas questões podem ser percebidas nos programas e séries produzidos e nos demais conteúdos digitais catalogados no Ambiente Educacional Web.

Dada a possibilidade de caminharmos por vários dos Territórios de Identidade da nossa terra, temos tido o privilégio de ver e ouvir outros modos de ser e de contar histórias, desfazendo mitos e preconceitos. Aliás, sobre isso, durante o período que passamos em Olivença, setembro passado, para o Seminário e Caminhada Caboclo Marcelino, gravamos um videoclipe para a música Preconceito Não, composta pelo estudante Carlos Alberto Pereira de Araújo Junior, da Escola Indígena Tupinambá de Olivença. O vídeo acaba de sair do forno e já consta na lista de professores para uso pedagógico! Parabéns aos integrantes de Banda JM.


quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Rede Anísio Teixeira em Côcos - BA


Rede Anísio Teixeira realiza formação no Colégio Estadual de Côcos, município do Oeste baiano, quase na fronteira com o estado das Minas Gerais.

Centro de Côcos. Foto: Geraldo Seara

Côcos é uma cidade hospitaleira, cujo povo recebe com alegria seus visitantes. A receptividade dos estudantes e professores do colégio não foi diferente, transformando os momentos da formação em um grande encontro, igual ao de velhos amigos.

Andar nas ruas da cidade é como visitar um grande celeiro cultural, feito de pessoas de vários sotaques, que põem cadeiras na porta da rua, ao entardecer e que dizem “trem” e “uai”. Também pudera! A cidade está a poucos quilômetros da fronteira com os estados das Minas Gerais e de Goiás. Fazem parte do povo do lugar, também, paulistas, gaúchos, dentre as várias origens, contribuindo para a sonoridade das falas. 


Estudantes a caminho do set de filmagem. Foto: Geraldo Seara

Desde 29 de julho, os estudantes e professores têm mergulhado na interpretação e no mundo audiovisual, através de uma das ações da Rede Anísio Teixeira que é a de formação. O curso, intitulado Intensivo de Interpretação e Produção de Vídeos Estudantis, instrumentaliza os participantes para outras leituras e escritas, tendo a câmera como lápis e a tela como papel. Em Côcos, também participaram do curso o professor Fábio, a professora Edilce e o funcionário Renan.


Prof. Nildson, prof. Edilce, prof. Fábio juntos com os estudantes, 
durante o curso

O curso é constituído de 4 etapas, sendo a primeira de contato com a escola, realizado por Marta Helena, para inscrições e seleção dos participantes. A seguir começamos um minicurso a distância, para a construção de argumentos e roteiros, mediado pelo professor Marcus Leone (Roteiro). As etapas seguintes - presenciais - são conduzidas pelos professores Nildson B. Veloso (Interpretação), euPeterson Azevedo e Rodrigo Maciel (Realização). 

  

Elenco de A História de um Sítio. Foto: Luana Nunes

A história escolhida pelo grupo conta um pouco da situação em que se encontra o sítio arqueológico, localizado na Fazenda Tatu, no município de Côcos, local que necessita da atenção das autoridades para a preservação da memória dos seus antigos e primeiros habitantes, estes expulsos do lugar. Assim, além de aprenderem mais sobre a própria história, os estudantes pretendem realizar uma intervenção na situação atual do sítio, visando à preservação desse valioso patrimônio.


Equipe de Arte confeccionando uma saia. Foto: Geraldo Seara

Nesta etapa de realização os estudantes se escalam para as várias funções no set, contribuindo com o que têm mais afinidade. Uns se encarregam do roteiro, outros da produção, outros do figurino e assim por diante. É no set, com a prática, que o aprendizado se consolida.


Making of de A História de um Sítio. Foto: Geraldo Seara


Equipe de Maquiagem. Foto: Geraldo Seara


Aderecista. Foto: Geraldo Seara
Indígenas a postos para a gravaçao. Foto: Geraldo Seara
Os capangas prontos para atuar. Foto: Geraldo Seara


Maquiagem para uma das cenas mais dramáticas

E começam as gravações. Atrás das câmeras, os que não estão em cena, mas todos precisam ficar atentos. Observar, fotografar e fazer anotações continuam valendo. É por isso que temos como ilustrar esta postagem.


Making of de A História de um Sítio. Foto: Luana Nunes


Professor Peterson Azevedo. Foto: Geraldo Seara


No set, o conteúdo das aulas se revela. Foto: Luana Nunes
  
Professor Rodrigo Maciel no Making of de A História de um Sítio. Foto: Luana Nunes


Cena de A História de um Sítio. Foto: Luana Nunes



O tempo todo contamos com o apoio irrestrito da diretora do colégio, a professora Carliene Oliveira e do professor Fabio, sempre atentos e a postos para contribuir na produção do filme, do transporte à alimentação... Abaixo, Carliene ajuda a preparar os cartazes para a cena final. Além disso, a diretora fez uma participação especial, interpretando a escrivã do cartório. O professor Fábio interpretou o personagem que se apossou das terras dos indígenas.


O professor Fábio Lopes orientou a construção das frases
Foto: Geraldo Seara


A diretora Carliene produzindo material para a cena final
Foto: Geraldo Seara
Finalizamos nossas gravações com a cena da manifestação pública, para chamar a atenção das autoridades sobre a urgente necessidade de reverter o quadro de abandono do Sítio Arqueológico de Côcos. 


Making of da manifestação nas ruas de Côcos. Foto: Carliene Saoli


Pose na porta da prefeitura

Às margens do rio Itaguari, gravamos entrevistas com o professor Fábio e a diretora Carliene. Seus depoimentos puseram mais peso de responsabilidade sobre nossos ombros, junto com doses de ânimo e otimismo para continuarmos nossa jornada. Só temos a agradecer por tudo o que colhemos aqui e, em nome da Rede AT, abraçamos a todos do Colégio Estadual de Côcos que estiveram, direta ou indiretamente envolvidos na produção. Destaque para as merendeiras cuja dedicação e temperos não nos deixaram fraquejar.


A diretora Carliene, em entrevista à equipe da Rede AT
Foto: Fábio Lopes


O professor Fábio Lopes, em entrevista à equipe da Rede ATFoto: Carliene Saoli



Próxima parada: Senhor do Bonfim - BA. Obrigado, Senhor por pessoas tão generosas e empenhadas!

- See more at: http://educadores-tvat.blogspot.com.br/#sthash.68pqedP4.dpuf

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Curso de interpretação para os Tupinambá

Desembarcamos nas terras do sul da Bahia para um grande encontro. Na bagagem, planos de aula e equipamentos de captura de imagem e som. Na cabeça, histórias que os livros ainda contam, com os recortes de quem manipula os fatos. Como de todo encontro ninguém sai o mesmo, tanto nós quanto eles desfizemos essas histórias únicas e perigosas, como nos adverte a escritora africana Chimamanda Adichie. Nossa bagagem voltou mais cheia.Voltamos nutridos de uma outra História, bem diversa daquela que certas mídias perpetuam. Formamos atores e eles nos formaram colaboradores.
Depois de uma semana de exercícios intensos de interpretação, na hora de escolher qual história gravar, os Tupinambá não tiveram dúvida. Foi assim que o Caboclo Marcellino surgiu, contrastando as páginas dos jornais locais que, desde 1936, insistem em contar uma única versão. Agora, de posse dos recursos audiovisais, mais pessoas podem se informar sobre o herói nativo da terra que, pelo fato de saber ler e escrever, foi considerado bandido, um perigo até para o seu próprio povo. Durante o tempo da perseguição, ao ver seus parentes mortos e torturados para que informassem o seu paradeiro, o Caboclo Marcelino se entregou. Hoje, ninguém sabe o seu paradeiro. Foi essa a história que quiseram contar. E contarão muitas mais… O A TARDE Educação fez questão de tratar do assunto. Veja aqui.
Aqui vai o making of do processo de formação e produção:
E, aqui, o resultado final:

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Bullying: urge detectar


Os bullies estão em toda parte. Seus filhos podem estar entre as vítimas ou mesmo ser um deles! Como nem sempre as denúncias são feitas, por medo, ou pela certeza da impunidade, muitos dos estudantes assediados permanecem calados.

Neste episódio da série Cotidiano, da TV Anísio Teixeira, abordamos o assunto, partindo de uma situação bem corriqueira,, mas que segue ignorada por muitos nas escolas. O bullying é coisa séria e precisa ser detectado, discutido e combatido.

Veja Respeito é bom.